Reuters logo
Jerónimo Martins com lucro 112 ME 3ro tri 2017, vendas fortes Biedronka
October 25, 2017 / 4:29 PM / 2 months ago

Jerónimo Martins com lucro 112 ME 3ro tri 2017, vendas fortes Biedronka

LISBOA, Oct 25 (Reuters) - O lucro atribuível da Jerónimo Martins fixou em 112 milhões de euros (ME), ligeiramente abaixo do previsto, mas com a unidade polaca Biedronka a liderar a performance com um forte crescimento das vendas trimestrais ‘like-for-like’, anunciou a retalhista.

A Jerónimo Martins - número dois do retalho em Portugal e a maior retalhista alimentar da Polónia - tinha tido um lucro de 330 ME há um ano atrás, quando teve uma forte mais-valia superior a 220 ME com a venda da Monterroio.

As vendas e prestação de serviços consolidados cresceram 10,4 pct para 4.172 ME e o EBITDA-lucro antes de juros, importos, depreciações e amortizações aumentou 6,0 pct para 253 ME. Na polaca Biedronka, as vendas, em moeda local, cresceram 10,5 pct no terceiro trimestre, com as vendas ‘like-for-like’ a aumentarem 8,9 pct. No Pingo Doce, as vendas aumentaram 1,3 pct, mas com o ‘LFl’ excluíndo combustível a descer 0,9 pct, enquanto no Recheio subiram 5,9 pct e o LFL aumentou 4,9 pct.

Uma Poll de sete analistas consultados pela Reuters previa que a Jerónimo Martins tivesse um lucro de 116,5 ME no terceiro trimestre, vendas consolidadas de 4.161,6 ME e um EBITDA de 256 ME.

No computo dos nove meses, o Grupo Jerónimo Martins teve um lucro atribuível de 285 ME, sendo que, “excluindo dos nove meses de 2016 a contribuição da Monterroio e a respectiva mais-valia na venda, os resultados cresceram 7,1 pct”.

O EBITDA do Grupo foi de 669 ME nos nove meses, um crescimento de 6,7 pct relativamente ao ano anterior ou de 5,1 pct a taxas de câmbio constantes.

O EBITDA da Biedronka foi de 583 ME, 13,9 pct acima do registado há um ano ou mais 11,5 pct a taxa de câmbio constante.

“A margem EBITDA foi de 7,2 pct, sensivelmente em linha com a do ano anterior. Este sólido desempenho ao nível do EBITDA foi resultado directo do foco nas vendas e do forte momentum do LFL, que compensou o crescimento dos custos de pessoal”.

O Pingo Doce e o Recheio registaram um EBITDA conjunto de 177 ME, 1 pct acima dos nove meses de 2016. A respectiva margem foi de 5,2 pct, com a descida em relação ao mesmo período do ano anterior a reflectir, essencialmente, a pressão provocada pelo menor LFL do Pingo Doce no terceiro trimestre.

Por Sérgio Gonçalves

Our Standards:The Thomson Reuters Trust Principles.
0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below